Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O Despertar da Mente

O Despertar da Mente

Epicuro e a noção de bem e de mal

Nunca deu consigo a pensar: se Deus é puramente bom porque razão permite o mal?  Pois é, muito antes de nós, os filósofos antigos questionaram isso mesmo, e um deles, foi o grego Epicuro.

Um dos maiores legados de Epicuro são os aforismos ou frases breves que são uma forma concisa e eloquente de declarar a verdade.

Epicuro1.jpg

O dilema de epicuro pode-se traduzir no esquema que a seguir se apresenta.

epicuro plus.jpg

Para quem foi criado com crenças cristãs, como eu própria, este dilema parece chocar-nos um pouco... Mas sejamos honestos, quem de nós ao observar tanta desgraça no mundo e até na própria vida pessoal em certas alturas, não deu consigo mesmo a pensar muito próximo de Epicuro?

Questionar não é sinónimo de desrespeitar ou de blafesmar. O pensamento deve correr livre para alcançar maiores níveis de conhecimento e de entendimento.

Que resposta daria a Epicuro? Acha que ele provou que os "super-poderes" divinos não existem? Ficou com dúvidas?

Confesso que andei uns tempos a reflectir acerca deste dilema e comecei este post há muitas semanas atrás, mas somente agora me senti verdadeiramente preparada para o publicar.

Primeiro considero importante fazer um esclarecimento: tenho uma visão monista de DEUS. Esta visão monista baseia-se na filosofia hermética e considera que Deus está em TUDO e no TODO e que somos todos divinos pois ELE também está em cada um de nós - somos centelhas divinas e temos muito mais poder do que aquele que julgamos ter. Esse poder foi-nos atríbuido a partir de uma coisa que se chama de livre arbítrio.

A visão monoteísta acredita no DEUS único omnipotente e omnisciente, porém, atribui-lhe muitas características antropomórficas (características humanas). No entanto, para a visão monista de Deus (que eu partilho) ELE não é humano, nem material, é antes uma consciência que une TUDO (desde a menor partícula à maior) ao TODO.

O que Epicuro faz aqui é desmontar um paradigma do monoteísmo. 

Então podemos considerar que Deus permite o mal para nos testar apesar de saber qual será o desenlace?

Sim! Porém, o mal não será criado por ele, mas sim por cada um de nós individual e coletivamente através dos nossos pensamentos, sentimentos e ações - como já tinha referido no post anterior.

Então ele não é bom por permitir o mal pois tem o poder de o terminar?

ELE é LUZ e AMOR e BEM incondicional. A dualidade existe para que haja evolução. Sem dualidade o universo não crescia e expandia.

Se só existisse o bem e o mal fosse erradicado para sempre interromperíamos o ciclo evolutivo do TODO, e de cada um de nós. Esta dualidade também existe noutras dimensões, embora aqui na nossa ela seja mais notória porque vivemos ainda muito na materialidade.

Agora cabe a cada um escolher de que lado quer ficar. Ambos tem muito poder, porém, o poder da LUZ é no meu entendimento muito superior. Para ilustrar o que afirmo  peço-vos para imaginarem um quarto interior sem janelas e na maior escuridão. Se você entrar nesse quarto e ligar uma pilha, onde a luz incidir a luz vencerá!

Seja a luz e não as trevas, lançando para o interior de si mesmo e para tudo o que o rodeia: conhecimento, aprendizagem, amor e aceitação e já estará a fazer muitíssimo por si próprio e por toda a humanidade à qual está ligado por uma teia invísivel aos olhos.

Qual a vossa opinião? Gostaría de a conhecer nos vossos comentários...