Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Despertar da Mente

O Despertar da Mente

Separar o trigo do joio

EU SOU EU SOU, 15.07.21

Jesus quando pregava, principalmente para o povo pobre e sem formação que atentamente O ouvia, tinha o cuidado de fazer-se entender de uma forma muito objetiva, falando em parábolas e se utilizando dos elementos da natureza à sua disposição, como semente, solo e plantas. Outras vezes as parábolas tornavam-se incompreensíveis para aqueles que se apressavam em testar os seus conhecimentos divinos como os escribas e fariseus.

Na parábola do joio e do trigo Jesus diz que “O Reino dos Céus é semelhante a um homem que tinha semeado boa semente no seu campo. Enquanto os trabalhadores repousavam, veio o seu inimigo e semeou joio no meio do trigo. O trigo cresceu, mas junto a ele também cresceu o joio.

Os trabalhadores indagaram o seu patrão: Não semeaste bom trigo, de onde vem o joio? Foi um inimigo que o plantou. Então os trabalhadores propuseram-se a arrancar o joio, mas o patrão disse-lhe: Não, porque arrancando o joio arriscais a tirar também o trigo. Deixai-os crescer juntos até a colheita, pois ai, sim, arranque primeiro o joio ate-o em feixes para que seja queimado. Recolhei depois o trigo para o celeiro”.

Jesus quis mostrar que na vida, no nosso convívio com as outras pessoas, podemos enfrentar dissabores e decepções, principalmente daquelas que se encontram bem próximas a nós. De início o relacionamento é muito bom e as demonstrações de amizade e respeito se repetem a cada dia. Entretanto, nem todas as pessoas que se encontram em nosso redor alimentam no seu âmago os sentimentos de amor, de lealdade e de confiança. Algumas, apesar de estarem bem próximas e aparentarem serem amigas leais, maquinam desejando o mal e torcendo para que a infelicidade faça morada em nossos lares. Normalmente tais pessoas se aproximam com a finalidade de obter vantagens, privilégios, destaques, favores.

É muito difícil detectar-se de imediato essas investidas que são devidamente planeadas, pois, aparentemente demonstram serem amigas fiéis e sempre prontas para servir.

O joio é uma planta semelhante ao trigo só que não produz trigo e essa constatação só se percebe por ocasião da colheita, onde o trigo se sobressai com seus cachos prontos para serem colhidos e o joio nada produz, apenas, durante o período do crescimento, aproveita-se dos nutrientes que seriam destinados ao trigo.

O Mestre alertava para que as pessoas tivessem muito cuidado para não serem enganadas por falsas promessas e por ensinamentos duvidosos.

O trigo e o joio 08/08/2017

Nas nossas vidas a lição também pode ser muito bem aplicada. Ao detectarmos o joio não devemos deixá-lo que, soprado pelo vento, abale o trigo ao ponto de afastá-lo de seu espaço natural inibindo o seu crescimento. Ao contrário, o trigo deve fincar com firmeza suas raízes e esforçar-se para crescer ao ponto de ultrapassar o joio e absorver o oxigênio puro, com a cabeça erguida e certo de que na colheita será bem mais fácil vencer a batalha.

O joio é a força do mal que para ser combatida exige muita sabedoria e persistência. Essa força não deve ser afrontada diretamente, mas sim deve ser aniquilada aos poucos, até mesmo disfarçadamente, pois o trigo é o bem, o bom fruto que deve ser preservado e, como o julgamento não nos compete e sim a Jesus, no tempo certo, deixemos que Ele mesmo, como o agricultor divino, faça a colheita e separe o joio para o fogo e o trigo para o celeiro.

Tomara que sejamos o trigo!

In, http://aquiacontece.com.br/

Esta parábola traz importantes lições de vida: não viver a avaliar e julgar ou viver com sentimentos de vingança em relação a pessoas/joio/tóxicas. A seu tempo serão colocadas no devido lugar por forças superiores.

Concentremo-nos pois nas coisas que nos elevam, nos trazem alegria e afinidade e não nos contaminemos pelo comportamento das pessoas joio. Tenhamos a coragem de permanecer fiéis aos principios humanistas.

Se focarmos o que não gostamos estamos a abrir caminho para que mais coisas que não apreciamos se manifestem na nossa vida. Entreguemos o que não nos pertence ao fluxo divino e concentremos-nos no que nos faz sentir bem e está alinhado com os nossos valores pessoais.

No final, o joio será colhido e queimado, mas o trigo será guardado no celeiro...

 

 

2 comentários

Comentar post