Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Despertar da Mente

O Despertar da Mente

Reflexão do dia... desprogramar o pensamento negativo

Estamos todos individual e colectivamente  programados a pensar negativamente. É  mesmo inconsciente.  É  mesmo como um feitiço.

Passei uma situação  recentemente com a minha mãe  que me demonstrou isso. Ela teve uma consulta médica,  e foi recomendado pelo médico que seria melhor reduzir determinado medicamento  pois estava a baixar-lhe as pulsações fazendo-a sentir-se grogue e sem energia. 

A reacção  da minha mãe  foi a de não  pretender seguir o conselho médico. Durante uma a duas semanas fez o que o médico lhe indicou, sem alterações nenhumas, e depois recusou-se a continuar a fazê-lo!  E explicou que não  aceitava que agora já  não  necessitasse daquele remédio e que pudesse ter melhorado num aspecto da sua saúde. Tomava há  tanto tempo aquele medicamento, e estava mais idosa  e na idade dela já  não  havia melhoras!

Curiosamente, após ter retomado a medicação a tensão  dela teve novas alterações,  piorou logo a seguir e assim lá tive de insistir para reduzir o medicamento, pois estava a fazer-lhe mal naquela dosagem.  E eu recordo histórias semelhantes de doentes que não  se conformam que possam melhorar e logo a seguir agravam a doença  ou até  morrem.

Estamos programados a acreditar mais na força  do mal que na do bem. Nas más  notícias  que nas boas. Temos crenças  limitantes  acerca da saúde,  da doença,  do envelhecimento... de tudo!

O Dr. Bruce Lipton tem escrito e reflectido imenso acerca da biologia da crença, ou como a forma como pensamos e sentimos afecta a nossa própria  biologia, a epigenética.

Outro aspecto tem a ver como por vezes temos desejos, que o universo nos materializa de forma diferente da que imaginamos... e o que fazemos nós?

Ao invés  de nos alegrarmos e agradecermos ficamos a resmungar ingratamente... e perdemos a consciência  de que é  apenas o universo  a atender ao nosso pedido!

IMG_20240707_182138_879.jpg

Curar significa  assumir um olhar honesto no papel que tu próprio desempenhas no teu sofrimento .