Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Despertar da Mente

O Despertar da Mente

Insustentabilidade das respostas convencionais

bruce-lipton-skin-at-heart.jpg

Hoje vou apresentar as últimas ideias da entrevista Dr. Bruce Lipton.

Menos de 1% das doenças está relacionada à predisposição genética e é o estilo de vida que determina as doenças que temos.

A doença cardiovascular e o cancro são as mais comuns.

O cancro e a doença cardiovascular estão mais relacionados com o stress. Investiram-se milhões na investigação do cancro em busca de um gene responsável pelo cancro para descobrir-se que... afinal tem a ver com o nosso estilo de vida em 70 a 80% segundo estudos mais recentes nos EUA! Ou seja somos os criadores das doenças que temos, inclusivé estas!

A industria farmacêutica era considerada a grande salvadora no paradigma anterior. A crença é que as doenças são puramente orgânicas e que a industria irá criar a solução mágica. Havia, e ainda há, uma forma linear de encarar a informação relacionada com a doença, tipo: A-B-C-D.  Tratar apenas dos sintomas. Só que o sistema humano é muito mais complexo e A está relacionado com B e com C e vice-versa!

As farmaceuticas são máquinas de gerar fortunas. Já a cura pela energia não é lucrativa - não dá para monetizar a energia - não se pode vender uma pílula de energia. Logo para as farmacêuticas é até preferível que estejamos todos doentes e a necessitar deles.

No entanto, a industria farmacêutica é também a causadora de muitas das enfermidades e mortes por efeitos secundários. Há até muitos chamados efeitos secundários que são na realidade efeitos diretos. Falemos da prescrição de estrogéneo na terapia hormonal das mulheres. Diz-se que tem o efeito secundário de causar AVC mas na realidade isso é um efeito direto! Só se for aplicado diretamente nos ovários pode ser útil às mulheres na prevenção do cancro. Porém, se tomarem comprimidos o medicamento espalha-se na corrente sanguínea e fará mais mal que bem!

Não quer dizer que a medicina é má!

Se tivermos um trauma ou outros problemas físicos a medicina pode ser fabulosa. Se tivermos um acidente de carro, não queremos um quiroprático ou uma massagem! Queremos um bloco operatório para reparar os membros ou orgãos que necessitam de reparação

Claro que não devemos ser fundamentalistas! E há situações em que necessitamos mesmo de apoio de medicamentos como antibióticos que devem ser usados com moderação pois destróem o microbioma que vive nos nossos intestinos e que defende a nossa imunidade.

O ideal mesmo seria uma articulação entre medicina convencional ou alopática e a medicina holística...

Fonte: Health Summit,2021

 

3 comentários

Comentar post