Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

O Despertar da Mente

O Despertar da Mente

Elogio assertivo e salário emocional

Na passada semana frequentei um workshop de gestão emocional e autoconhecimento onde se falou do papel do elogio assertivo e do salário emocional. São aspetos importantes em termos da habilidade social de nos relacionarmos uns com os outros e da motivação, especialmente no contexto laboral, e até em matéria de gestão de recursos humanos.

Comecemos pelo elogio assertivo. Elogiar alguém é: apontar, indicar, para a outra pessoa algum comportamento positivo, que te gerou bons sentimentos. Ao fazer isso, você mostra a outra pessoa que ela fez algo que te agradou e isso reforça a relação entre vocês (amizade, namoro, casamento, trabalho, etc.).

Habilidades Sociais – receber e fazer elogios – Dr. Bruno Marinho de Sousa

Mas elogiar alguém pode também soar a bajulação ou graxa, por isso, para que o elogio seja autêntico, observe alguns aspetos:

- deve ser sincero;

- deve ser verdadeiro;

- deve ser oportuno;

- não deve exagerar!

“Prefiro os que me criticam, porque me corrigem, aos que me elogiam porque me corrompem”, Santo Agostinho.

Por vezes, em recursos humanos quando se tem uma má notícia para dar ou uma conversa dificil usa-se também a técnica da sanduiche onde se alterna entre um elogio (comece sempre pelo positivo) e uma crítica (construtiva). Esta é uma forma de não irritar tanto o interlocutor e de o manter mais recetivo ao que temos para dizer.

Lobo 🏴‍☠️ on Twitter: "Salário emocional o caralho que vos foda.… "Quanto ao salário emocional...

Sim, você trabalha por dinheiro mas se nós investimos um terço das nossas vidas a trabalhar não podemos pensar apenas em termos económicos... não acha?

Então a pergunta: se retirar a parte económica, porquê que você trabalha? O que você retira disso?

Nada mais improdutivo que um funcionário infeliz, por esse motivo as empresas se querem reter os seus melhores talentos tem de pagar mais e tem de agregar algo mais... o salário emocional!

Oportunidades de carreira, um bom plano de saúde ou de reforma, horários flexiveis, dias extra de férias, apoio de creche, oportunidades de formação  e de aprendizagem, bom ambiente de trabalho são aspetos que podem contribuir para uma maior produtividade e motivação dos colaboradores de qualquer empresa.

Segundo a especialista em recursos humanos Marisa Elizundia, são 10 fatores-chave que servem para medir o salário emocional:

1- Autonomia - liberdade para gerir próprio horário ou tarefas.

2- Pertença- sentir que integra um grupo que o valoriza e aceita. Sentir satisfação e orgulho de pertencer aquela empresa.

3 - Criatividade.

4- Plano de carreira — ter um perspetiva de evolução na empresa.

5- Prazer — gostar do que faz e ter momentos de alegria e diversão no trabalho;

6- Dominar sua função — sentir que está cada vez mais proficente no que faz;

7-Inspiração — ter momentos em que olha para as tarefas, pessoas e empresa e cria novos procedimentos que o auxiliam no seu trabalho.

8- Crescimento pessoal — sentir que cresce como pessoa graças ao seu trabalho.

9- Crescimento profissional — sentir que teve vários momentos em que cresceu como profissional e expandiu as suas capacidades.

10- Ter um propósito — sentir que o seu trabalho contribui para os seus propósitos e para os da empresa.

Dá que pensar...