Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

O Despertar da Mente

O Despertar da Mente

A causa da doença - de Khrishnamurti a Moorjani

EU SOU EU SOU, 09.05.21

Antes da doença existe o doente. Como assim?

Jiddu.jpg

Não estamos aqui a falar só de doença física individual mas sim da doença emocional, vibracional e de valores da sociedade que cria uma grande densidade energética. Convenhamos que a maioria dos seres humanos tem um comportamento, pensamento e sentimento inconsciente e desconectado da sua essência verdadeira e da sua ligação ao planeta. Logo qualquer pessoa mais evoluída tem noção que temos vivido numa sociedade muito superficial, com a qual não se identifica.

Há quanto tempo estará a humanidade doente?!

Essa densidade energética é absorvida por todos nós pelo próprio ato de respirar. Essa energia criada por todos coletivamente fica no ar, cria uma atmosfera densa e de doença que nós absorvemos ao respirarmos inconscientemente... e ficamos doentes!

Daí terem vindo muitas práticas do oriente como o ioga  (pranayamas) que aprendem a respirar com consciência - exercícios de libertação, meditação e de manifestação de energia. Energias de cura e de bem-estar.

A única forma de purificarmos é de limparmos constantemente os ambientes por onde nos movimentamos, espalhando boas energias, alegria, paz e amor. Se não tivermos consciência disso, acabamos por ligar-mo-nos a más enrgias vibracionais que pairam um pouco por todo o lado e com maior intensidade mais em certos locais que outros. Ao ligarmo-nos a essas energias vamos criar sentimentos negativos de medo, angústia, tristeza, desespero, raiva, ódio...

Jiddu2.png

Isto implica que deva refletir acerca do tipo de pessoa quer ser.

Pensa só em si ou em todos?

Ensina às suas crianças a serem altruístas ou a serem competitivas?

Tem o hábito de refletir acerca das suas ações, objetivos ou vive o tempo todo a fugir de si mesmo?

jiddu3.jpg

Posta esta consideração, vou apresentar mais uns tópicos que retirei de outra interessante apresentação na Health Summit 2021 a da Anita Moorjani.

ANITA MOORJANI

Tem uma história pessoal de cura de um cancro de Hodgkins e de coma seguido de quase-morte.

O MEDO é no seu entendimento a causa das doenças.

O cancro é uma doença que propaga o medo. Medo em quem recebe o diagnóstico, dos seus familiares e amigos e até quem dá o diagnóstico tem medo.

As pessoas associam esta doença à morte. E só porque na medicina alopática convencional muitos cancros agressivos não tenham cura, não significa que a CURA não exista.

Deixo-vos alguns dos seus preciosos ensinamentos:

1. Não se foquem no cancro. Foquem na vida e nos vossos entes queridos e em tudo aquilo que vos traz alegria. Focar a doença só o fará piorar.

2. Se tiver a fazer tratamentos, faça isso como se fosse uma tarefa. Não fique obsecado pela doença e pelos tratamentos. Foque antes aquilo que o que o prende à vida.

3. Fui criticada por dar "falsas" esperanças às pessoas, e por isso, ser perigoso! Porquê que dar esperança a alguém pode ser considerado perigoso? Precisamos de ter esperança! Sem esperança perdemos a vontade de viver.

4. Remover a palavra REMISSÃO do vocabulário médico. Essa palavra é que é perigosa pois cria nas pessoas MEDO - o medo do cancro voltar.

Ressignifique a palavra REMISSÃO - para algo positivo como lembrar-se de qual é a sua missão aqui na vida!

Parabéns, venceu o cancro!

5. Rir e viver com alegria é o melhor tratamento que pode seguir.

6. A doença não começa na parte física, na realidade a parte física é o último lugar onde se irá manifestar. Qualquer doença começa na parte emocional e espiritual.

Ninguém sabe quando chegará  a sua hora, e a autora é a prova viva disso! Assim, ao invés de fazer coisas que acha que vão adiar a sua morte, pense antes em fazer coisas que contribuam para a sua saúde e para a sua qualidade de vida.

Uma boa vida não se mede apenas pelo número de anos que se vive, mas sim pela qualidade de vida que se teve... 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.